Bem vindos!

...............
Mensagens

Poeta nordestino, sertanejo, semi-analfabeto, pobre, cego, Mas tinha sonhos, fé e esperança, leiam o que foi feito dele; O pequeno grange homem.



PATATIVA DO ASSARÉ
Poetas niversitario,
                                    Poetas de Cademia,
                                    De rico vocabularo
                                    Cheio de mitologia;
                                    Se a gente canta o que pensa,
                                    Eu quero pedir licença,
                                    Pois mesmo sem português
                                    Neste livrinho apresento
                                    O prazê e o sofrimento
                                    De um poeta camponês.
 
                                  Eu nasci aqui no mato,
                                    Vivi sempre a trabaiá,
                                    Neste meu pobre recato,
                                    Eu não pude estudá.
                                    No verdô de minha idade,
                                    Só tive a felicidade
                                    De dá um pequeno insaio
                                    In dois livro do iscritô,
                                    O famoso professô
                                    Filisberto de Carvaio.
 
                                    No premêro livro havia
                                    Belas figuras na capa,
                                    E no começo se lia:
                                    A pá — O dedo do Papa,
                                    Papa, pia, dedo, dado,
                                    Pua, o pote de melado,
                                    Dá-me o dado, a fera é má
                                    E tantas coisa bonita,
                                    Qui o meu coração parpita
                                    Quando eu pego a rescordá.
 
  Foi os livro de valô
  Mais maió que vi no mundo,
  Apenas daquele autô
  Li o premêro e o segundo;
  Mas, porém, esta leitura,
  Me tirô da treva escura,
  Mostrando o caminho certo,
  Bastante me protegeu;
  Eu juro que Jesus deu
  Sarvação a Filisberto.
 
                                    Depois que os dois livro eu li,
                                    Fiquei me sintindo bem,
                                    E ôtras coisinha aprendi
                                    Sem tê lição de ninguém.
                                    Na minha pobre linguage,
                                    A minha lira servage
                                    Canto o que minha arma sente
                                    E o meu coração incerra,
                                    As coisa de minha terra
                                    E a vida de minha gente.
 
                                    Poeta niversitaro,
                                    Poeta de cademia,
                                    De rico vocabularo
                                    Cheio de mitologia,
                                    Tarvez este meu livrinho
                                    Não vá recebê carinho,
                                    Nem lugio e nem istima,
                                    Mas garanto sê fié
                                    E não istruí papé
                                    Com poesia sem rima.
 
                                    Cheio de rima e sintindo
                                    Quero iscrevê meu volume,
                                    Pra não ficá parecido
                                    Com a fulô sem perfume;
                                    A poesia sem rima,
                                    Bastante me disanima
                                    E alegria não me dá;
                                    Não tem sabô a leitura,
                                    Parece uma noite iscura
                                    Sem istrela e sem luá.

Se um dotô me perguntá 
Se o verso sem rima presta, 
Calado eu não vou ficá,

A minha resposta é esta: 
 — Sem a rima, a poesia
Perde arguma simpatia 
E uma parte do primô;
Não merece munta parma, 
É como o corpo sem arma 
E o coração sem amô.
 
                                    Meu caro amigo poeta,
                                    Qui faz poesia branca,
                                    Não me chame de pateta
                                    Por esta opinião franca.
                                    Nasci entre a natureza,
                                    Sempre adorando as beleza
                                    Das obra do Criadô,
                                    Uvindo o vento na serva
                                    E vendo no campo a reva
                                    Pintadinha de fulô.
 
                                    Sou um caboco rocêro,
                                    Sem letra e sem istrução;
                                    O meu verso tem o chêro
                                    Da poêra do sertão;
                                    Vivo nesta solidade
                                    Bem destante da cidade
                                    Onde a ciença guverna.
                                    Tudo meu é naturá,
                                    Não sou capaz de gostá
                                    Da poesia moderna.
 
                                    Dêste jeito Deus me quis
                                    E assim eu me sinto bem;
                                    Me considero feliz
                                    Sem nunca invejá quem tem
                                    Profundo conhecimento.
                                    Ou ligêro como o vento
                                    Ou divagá como a lêsma,
                                    Tudo sofre a mesma prova,
                                    Vai batê na fria cova;
                                    Esta vida é sempre a mesma. 

Books-aj.svg aj ashton 01.png A Wikipédia possui o
Portal de Literatura


Antônio Gonçalves da Silva, mais conhecido como Patativa do Assaré (Assaré, Ceará, 5 de março de 19098 de julho de 2002), foi um poeta popular, compositor, cantor e improvisador brasileiro.
Biografia
Uma das principais figuras da músicanordestina do século XX. Segundo filho de uma família pobre que vivia da agricultura de subsistência, cedo ficou cego de um olho por causa de uma doença [2]. Com a morte de seu pai, quando tinha oito anos de idade, passou a ajudar sua família no cultivo das terras. Aos doze anos, frequentava a escola local, em qual foi alfabetizado, por apenas alguns meses [3]. A partir dessa época, começou a fazer repentes e a se apresentar em festas e ocasiões importantes. Por volta dos vinte anos recebeu o pseudônimo de Patativa, por ser sua poesia comparável à beleza do canto dessa ave. Sendo muito amigo da família Diniz.
Indo constantemente à Feira do Crato onde participava do programa da rádio Araripe, declamando seus poemas. Numa destas ocasiões é ouvido por José Arraes de Alencar que, convencido de seu potencial, lhe dá o apoio e o incentivo para a publicação de seu primeiro livro, Inspiração Nordestina, de 1956.
Este livro teria uma segunda edição com acréscimos em 1967, passando a se chamar Cantos do Patativa [2]. Em 1970 é lançada nova coletânea de poemas, Patativa do Assaré: novos poemas comentados, e em 1978 foi lançado Cante lá que eu canto cá. Os outros dois livros, Ispinho e Fulô e Aqui tem coisa, foram lançados respectivamente nos anos de 1988 e 1994. Foi casado com Belinha, com quem teve nove filhos. Faleceu na mesma cidade onde nasceu.
Obteve popularidade a nível nacional, possuindo diversas premiações, títulos e homenagens (tendo sido nomeado por cinco vezes Doutor Honoris Causa). No entanto, afirmava nunca ter buscado a fama, bem como nunca ter tido a intenção de fazer profissão de seus versos. Patativa nunca deixou de ser agricultor e de morar na mesma região onde se criou (Cariri) no interior do Ceará. Seu trabalho se distingue pela marcante característica da oralidade. Seus poemas eram feitos e guardados na memória, para depois serem recitados. Daí o impressionante poder de memória de Patativa, capaz de recitar qualquer um de seus poemas, mesmo após os noventa anos de idade.
A transcrição de sua obra para os meios gráficos perde boa parte da significação expressa por meios não-verbais (voz, entonação, pausas, ritmo, pigarro e a linguagem corporal através de expressões faciais, gestos) que realçam características expressas somente no ato performático (como ironia, veemência, hesitação, etc.). A complexidade da obra de Patativa é evidente também pela sua capacidade de criar versos tanto nos moldes camonianos (inclusive sonetos na forma clássica), como poesia de rima e métrica populares (por exemplo, a décima e a sextilha nordestina). Ele próprio diferenciava seus versos feitos em linguagem culta daqueles em linguagem do dia-a-dia (denominada por ele de poesia "matuta").

Obras

Livros de poesia

Poemas

  • A Triste Partida;
  • Cante Lá que eu Canto Cá;
  • Coisas do Rio de Janeiro;
  • Mote/Glosas;                                                                                   
  • O Poeta da Roça;
  • Apelo dum Agricultor;                                             
  • Se Existe Inferno;
  • Vaca estrela e Boi Fubá;
  • Você se Lembra?;
  • Vou Vorá.

Títulos e prêmios

  • 1979 - Homenageado pela programação cultural do encontro da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, SBPC, em Fortaleza;
  • 1982 - Recebe o diploma de “Amigo da Cultura”, outorgado pela Secretaria da Cultura do Estado, pela “decidida atuação a favor do aprimoramento cultural do Ceará”;
  • 1982 - Cidadão de Fortaleza, título aprovado pela Câmara Municipal;
  • 1987 - Recebe a “Medalha da Abolição”, pelos “relevantes serviços prestados ao Estado”;
  • 1989 - Cariri Ceará - Doutor Honoris Causa pela Universidade Regional de Cariri;
  • 1989 - Inauguração da rodovia “Patativa do Assaré”, com 17 km, ligando Assaré a Antonina do Norte
  • 1991 - Enredo da Escola Acadêmicos do Samba, de Fortaleza;
  • 1995 - Fortaleza, Ceará - Prêmio do Ministério da Cultura na categoria Cultura Popular entregue pelo Presidente da República Fernando Henrique Cardoso no Teatro José de Alencar;
  • 1998 - Recebe, dia 22 de maio, a “Medalha Francisco Gonçalves de Aguiar”, do Governo do Estado do Ceará, outorgada pela Secretaria de Recursos Hídricos;
  • 1999 - Assaré, Ceará - Inauguração do Memorial Patativa do Assaré;
  • 1999 - Título de Doutor Honoris Causa da Universidade Estadual do Ceará - UECE;
  • 1999 - Título de Doutor Honoris Causa da Universidade Federal do Ceará - UFC;
  • 1999 - Prêmio Unipaz, VII Congresso Holístico Brasileiro, Fortaleza, dia 20 de outubro;
  • 2000 - Na festa dos 91 anos, recebe o título de Cidadão do Rio Grande do Norte;
  • 2000 - Título de Doutor Honoris Causa da Universidade Tiradentes, de Sergipe;
  • 2001 - Terceiro colocado na eleição do “Cearense do Século”, promovido pelo Sistema Verdes Mares de Comunicação (o vencedor foi Padre Cícero);
  • 2001 - Recebe o troféu “Sereia de Ouro”, do Grupo Edson Queiroz, no Memorial Patativa do Assaré, dia 28 de setembro;
  • 2002 - Prêmio FIEC, "Artista do Turismo Cearense", Fortaleza;
  • 2003 - Prêmio UniPaz, V Congresso Holístico de Crianças e Jovens, Fortaleza;
  • 2005 - Inauguração da "Biblioteca Pública Patativa do Assaré", Piauí;
  • 2004 - Título EFESO "Cidadão Empreendedor"(Escola de Formação de Empreendedores Sociais);
  • 2004 - Troféu MST (Homenageado pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra);
  • 2005 - Homenageado com Medalha Ambientalista Joaquim Feitosa;
  • 2005 - Inauguração da "Biblioteca Pública Patativa do Assaré", Vila Nova, Piauí;
  • 2005 - Título de Doutor Honoris Causa da Universidade (?), Mossoró, Rio Grande do Norte.

Referências

  1. Sua Pesquisa.com. Patativa do Assaré, biografia, obras, poemas, repentes, literatura de cordel e outras informações sobre sua vida. Página visitada em 25-8-2010.
  2. a b Tanto Literatura. Antônio Gonçalves da Silva, dito Patativa do Assaré. Página visitada em 17-10-2010.
  3. Jornal de Poesia. Patativa do Assaré, Sinopse biográfica. Página visitada em 17-10-2010.

Ligações externas

**************************************************************

8 comentários:

Rosemildo Sales Furtado disse...

Olá amiga! Belíssima e bastante merecida homenagem ao grande Antônio Gonçalves da Silva, o nosso Patativa do Assaré. Parabéns!

Beijos e ótima semana pra ti e para os teus.

Furtado.

Pérola disse...

Bela homenagem,amei o poema eu li tudo!!!
Gostei.
Parabéns pela homenagem.
Beijos amada.

angela disse...

Uma delicia de ler o poeta.
beijos

Solange disse...

o dom não frequenta os bancos da escola..
parabéns pela homenagem.

bjs.Sol

Pelos caminhos da vida. disse...

Belissíma homenagem.

Obrigada pela sua companhia.

beijooo.

José disse...

Bela homenagem e bem merecida,
lindo poema este do senhor Antónia,
isto é poesia pura e genuína.

"Poeta niversitaro,
Poeta de cademia,
De rico vocabularo
Cheio de mitologia,"

Grato sempre por sua visita,
José.

Ingrid disse...

Val,
Já li agumas coisas del.. gostei muito.
Grande escolha amiga!
beijos.

Dario B. disse...

Patativa é fantástico, a não divulgação no Brasil da sua obra é imperdoável. Bjo.