Bem vindos!

...............
Mensagens

 



Algumas Grandes Mulheres da História... É  impossível nesse pequeno espaço por todas as grandes, deixo  que vocês citem em suas opiniões alguns nomes.



Aqui é você querida amiga seguidora, a primeira de importância nesse post, você que sempre tem uma palavra de carinho, incentivo e dedicação. És uma grande mulher, e se algum dia disserem o contrario, olhe de cima, lá em baixo verás alguém precisando de amor.

Felicidades imensas pra ti, distribua, é nossa missão, beijos com afetos da tua amiga valquíria calado.

Anita Garibaldi -  quebrou os padrões de sua época ao se envolver na luta revolucionária.



.
Nascida na cidade catarinense de Laguna (SC), Ana Maria de Jesus Ribeiro da Silva teve uma origem familiar humilde combinada com uma boa educação. Seguindo os padrões da época, casou-se bastante jovem, aos 15 anos, com Manuel Duarte de Aguiar. No ano de 1837, já com o desenvolvimento da Revolução Farroupilha, ela teve a oportunidade e conhecer Giuseppe Garibaldi, um dos principais líderes do movimento que conquistara sua cidade natal.

Logo se mostrando apaixonada por Giuseppe, Ana Maria resolveu abandonar o seu infeliz matrimônio para que ao lado do revolucionário italiano marcasse a História com o nome de Anita Garibaldi. No tempo em que Laguna se transformou em sede do governo da República Juliana, que tomou Santa Catariana, Anita aprendeu a manusear espadas e armas de fogo. Em pouco tempo, a paixão pelo companheiro e os riscos da guerra se tornaram situações comuns à sua peculiar rotina.

Durante a Batalha de Curitibanos, Anita foi capturada pelas tropas que representavam o Império Brasileiro. Presa e grávida do seu primeiro filho, ela foi enganosamente informada que Garibaldi havia falecido nos campos de batalha. Inconformada e duvidosa sobre a informação, ela pediu aos oficias que a deixem procurar o marido entre os corpos. Nesse instante, desconfiando do que lhe fora dito, ela saltou em um cavalo e fugiu dos oficiais que a vigiavam.

Após atravessar um rio e passar alguns dias sem alimento, ela buscou refúgio entre alguns revolucionários. Poucos dias depois, Anita e Giuseppe se encontraram na cidade de Vacaria. Já em 1841, o casal seguiu para a cidade de Montevidéu, para apoiar outra revolta contra o ditador uruguaio Fructuoso Rivera. Após a participação nos conflitos, Anita foi enviada para a Itália, em 1847, para realizar os preparativos que receberiam o marido e uma tropa de mil homens que participariam das guerras de unificação da Itália.

Nesse novo conflito, o casal chegou até acidade de Roma, que havia sido posta como a capital da nova República Romana. Apesar da conquista, tiveram que enfrentar a opulência das forças franco-austríacas, e bateram em retirada nas ofensivas que marcaram a Batalha de Gianicolo. Acompanhados por, aproximadamente, quatro mil soldados, o casal de revolucionários ainda teve de suportar a pressão de outros exércitos contrários ao processo de unificação.

Quando atingiram a cidade de San Marino, a embaixada norte-americana ofereceu um salvo conduto que poderia tirar o casal daquela penosa situação de risco. Não aceitando o convite, por temer a desarticulação do processo de unificação, Anita e Giuseppe continuaram a sua fuga. A essa altura, esgotada pela quinta gravidez, a valente revolucionária ficou abatida ao enfrentar uma grave crise de febre tifoide. Não resistindo, Anita faleceu nas proximidades de Ravenna, em 4 de agosto de 1849.

Ferozmente perseguido pelos soldados austríacos, Garibaldi não teve sequer a oportunidade de acompanhar os cortejos fúnebres da esposa. Partindo para o exílio, o revolucionário italiano ficou dez anos fora da Itália. Somente em 1932, o corpo de Anita Garibaldi foi definitivamente transferido para a colina de Janiculo, localizada na porção ocidental da cidade de Roma.
Por Rainer Sousa
Graduado em História
Equipe Brasil Escola

Catarina - A alemã que conquistou a Rússia.

Aos 14 anos de idade Sophia Augusta Frederika – futuramente Catarina, a Grande - recebeu um convite da imperatriz Elisabeth I da Rússia. A imperatriz queria que Sophia desposasse seu filho, Pedro III, o herdeiro do trono russo. Sophia aceitou prontamente. Foram rápidos os preparativos para o casamento. Os noivos só se conheceram durante o banquete em homenagem à futura esposa. Para Sophia foi uma decepção, pois o príncipe não era dotado de beleza, com o rosto todo marcado por seqüelas da varíola, além disso, possuía um temperamento instável. O casamento aconteceu em 21 de agosto de 1745, em São Petersburgo. Pedro III não estava muito interessado na esposa. A sogra de Sophia ficou muito feliz com o seu interesse em aprender a língua, a cultura e os costumes russos. Com o abandono da fé luterana, foi admitida na Igreja Ortodoxa Russa e rebatizada como Yekaterine Alekseievna.
Com o passar do tempo Catarina se convenceu de que o marido não tinha aptidão para o poder. Em oito anos de união, Pedro III não havia conseguido engravidá-la. Porém, a imperatriz Elisabeth I não pretendia morrer sem ter um neto. Por isso, permitiu que Catarina arrumasse um pai para o bebê. Sendo assim, Catarina escolheu o guarda imperial Sergei Saltikov, desse caso nasceu seu primeiro filho, Paulo. Para a sociedade russa, a criança era fruto do amor do casal real. Mesmo com o nascimento da criança, Pedro III não deixou de ter a antipatia da população. Muito pelo contrário, sua popularidade caia dia após dia. Um dos motivos era que ele se preocupava mais com coisas banais do que com os assuntos que preocupavam os súditos. Já Catarina era o oposto do marido, tinha sede pelo poder. Em junho de 1762, com a ajuda de Gregory Orlov, herói da Guarda Imperial e o mais famoso dos 12 amantes conhecidos da soberana, ela decidiu pôr em prática um plano audacioso. No dia 21 de junho, tomou sua carruagem com destino ao quartel-general do regimento Ismailovsky e apresentou-se aos soldados com ar frágil e empoeirada pela viagem. Fez um apelo aos soldados; “Vim aqui rogar por sua proteção. O imperador ordenou minha prisão. E temo por minha vida”. O apelo deu certo, tanto que os soldados jogaram-se a seus pés, beijaram suas mãos e reconheceram em Catarina sua tsarina. Também conquistou a Rússia. Do quartel-general a soberana foi escoltada para a Catedral de Kazan, em São Petersburgo, onde fez o juramento que a oficializou como imperatriz e governante única da Rússia. Pedro III recebeu a mensagem de que sua esposa assumira o comando. Enquanto isso, Catarina tomou emprestado um uniforme do regimento e, assim trajada, deixou um bilhete ao Senado dizendo que iria à frente da tropa para trazer paz e segurança ao trono russo.
No dia 29 de junho, Pedro III assinou sua abdicação em favor da esposa. Seis dias depois morreu devido um estranho “acidente”. Mas na verdade, foi assassinado por Orlov. Um dia depois, a soberana se apresentou triunfante em Moscou, culminando na sua coroação oficial em Kremlin. Na sua primeira visita ao senado, se chocou com a realidade na qual o mesmo se encontrava, em total abandono. Parte do exército não recebia havia 8 meses, o déficit do tesouro real era em torno de 17 milhões de rublos e a sociedade reclamava de corrupção. Com tudo, Catarina resolveu pôr a casa em ordem, sabendo que governava um país rural, ela decidiu atacar as áreas improdutivas. Abriu as portas à imigração. Fundou a primeira escola só para meninas, criou diversos hospitais e colégios e bancou o florescimento da arte russa. O exército foi reformado, a Igreja teve seu poder reduzido e a agricultura e o comércio desabrocharam. Catarina enfrentou diversas lutas, saindo vitoriosa de todas elas.
Os ideais iluministas da soberana foram esmaecendo com o tempo, e se decepcionava com a resistência de seus súditos em viver sob ideais de razão e lógica que defendia. O sonho de Catarina, a Grande, era anunciar seu neto Alexandre, como herdeiro, só que sua morte, em 1796, a impediu de excetuar o plano. Seu filho Paulo I assumiu a Coroa. No entanto, cinco anos depois, foi assassinado. Alexandre o sucedeu, estava assim cumprido o desejo de Catarina.
Por Eliene Percília
Equipe Brasil Escola

Cleópatra-  a rainha que conquistou generais romanos em busca de suas ambições políticas.

No ano de 69 a.C., o rei egípcio Ptolomeu teve a oportunidade de assistir o nascimento de sua filha mais velha, Cleópatra, que viria a ser conhecida como uma das mais famosas e intrigantes rainhas do Egito. Nascida na cidade macedônica de Alexandria, esta rainha herdou as heranças gregas e persas que se instituíram na região nordeste da África pela ação do imperador macedônico Alexandre, o Grande.

Longe de ser apenas uma mulher fútil, poderosa e entregue aos prazeres da vida, Cleópatra ansiava dar fim às dominações estrangeiras que tomavam seu reino. Além disso, era conhecida como hábil debatedora e dominava várias línguas como aramaico, persa, somali, etíope, egípcio e árabe. Segundo o historiador Plutarco, ela não detinha atributos físicos, mas se valia de outros artifícios para alcançar seus objetivos.

Quando chegou ao poder, suas intenções de restabelecer a soberania parecia ser um plano difícil de ser concretizado. Após casar com seu irmão Ptolomeu XII para chegar ao trono, observou que as tropas do opulento e vitorioso exército romano estavam próximas demais da cidade de Alexandria. Ao mesmo tempo, sua posição real era decorativa em face dos poderes atribuídos aos burocratas que controlavam o Estado.

Estes ministros percebiam as ambiciosas pretensões políticas de Cleópatra e, não por acaso, obrigaram-na a fugir de Alexandria e pedir auxílio militar das tribos do deserto. Nessa mesma época, o general romano Pompeu, ao qual Cleópatra já havia prestado apoio, pediu abrigo a suas tropas derrotadas na Farsália. O pedido gerou um grande dilema para os dirigentes do governo.

Por um lado, entendiam que o apoio a Pompeu poderia significar a invasão das tropas de Júlio César, outro general romano que ambicionava ser ditador. Em contrapartida, a recusa também poderia causar a fúria de Pompeu, que passaria a ver os egípcios como um bando de mancomunados com seu maior inimigo político. Por fim, tentando se safar desta situação ambígua, os egípcios decidiram tramar o assassinato de Pompeu.

Após matarem o general romano, as tropas de César se dirigiram até Alexandria para tomar conhecimento do comportamento egípcio em frente a suas tropas. Ptolomeu, o rei, receava sob as pretensões dominadoras do general romano e decidiu não ir ao seu encontro. Em contrapartida, Cleópatra arquitetou um plano em que conseguiria encontrar Júlio César sozinho e vulnerável à sedução da rainha.

Para conseguir tal feito, se sujeitou a ficar enrolada em um tapete que seria entregue como presente a Júlio César. A ousadia conquistou César, que, em resposta, lutou ao seu lado contra os revoltosos contrários ao governo da rainha no Egito. A empreitada quase fracassou, mas com o apoio de Mitríades de Pérgamo, conseguiram abater as ambiciosas tropas egípcias que, no fundo, também disputavam o poder entre si.

A aliança entre César e Cleópatra a transformou em senhora do Egito. Contudo, não satisfeita com o objetivo alcançado, resolveu apoiar César em novas conquistas que pudessem transformá-lo em um conquistador de muitas fronteiras. Contudo, o general romano sabia que qualquer ambição de poder absoluto poderia acender a fúria do Senado Romano, que não permitiria a dissolução da República.

Por isso, ele teve de se contentar com uma breve temporada em que desfrutou da companhia de sua audaciosa amante. Depois disso, forçado a sinalizar sua devoção às instituições romanas, partiu com o seu exército para a região de Ponto, onde abafou a revolta de Farnaces. Nesse meio tempo, a rainha Cleópatra ficou grávida e deu à luz a Cesarião, nome que simplesmente atestava a paternidade de seu filho.

Depois que retornou para Roma, César nunca mais colocou os seus pés no Egito. Contudo, em mais uma ação de extrema audácia, a rainha Cleópatra resolveu ir até Roma e visitar o seu amante e parceiro político. Para os romanos mais conservadores, a presença daquela estrangeira era uma ameaça às tradições. Afinal, quais garantias poderiam dizer que César não a transformaria em rainha de Roma?

Por fim, antes que tal ameaça se tornasse real, Júlio César foi assassinado por um grupo de republicanos que temiam as pretensões hegemônicas do ditador. Temendo a reação dos romanos com a sua presença, Cleópatra logo retornou para Alexandria e, após se livrar do irmão, colocou o seu filho no poder. Enquanto os romanos decidiam quem assumiria o poder, ela resolveu ficar afastada das questões políticas e militares.

Após as lutas sucessórias, dois generais assumiram o poder político do Império: Otávio, que se preocupava em buscar apoio do Senado e tinha um comportamento frio e ambicioso; e Marco Antônio, que ficara e parecia ser uma figura mais receptível aos engodos da rainha. Ao contrário da primeira vez, Cleópatra esperou que o seu mais novo alvo político chamasse pela sua presença. Não demorou muito, Marco Antonio, que estava na Sicília, chamou a senhora do Egito pra discutir o poder na Ásia.

Organizando uma comitiva suntuosa e adornada com vários elementos que faziam menção à mitologia grega, Cleópatra não teve grandes dificuldades para conquistar o general. Entre 41 e 31, Marco Antonio dizimou os inimigos políticos de Cleópatra, abandonou a esposa (que era irmã de Otávio) e passou boa parte desse tempo realizando conquistas militares que atendiam o interesse de sua amada egípcia.

A união entre Marco e Cleópatra deu origem a três filhos e somente colocava em dúvida o compromisso que o general romano teria com sua pátria original. Como se não bastasse toda a situação, os filhos do casal foram transformados em reis da Armênia, da Síria e da Ásia Menor. Dessa forma, o cenário político de Roma estava divido entre dois senhores: um comprometido com o Ocidente (Otávio) e o outro maravilhado com o Oriente (Marco Antonio).

Prevendo uma possível reviravolta, Otávio começou a realizar ataques sistemáticos contra o comportamento de Marco Antonio e resolveu colocar Cleópatra como uma séria ameaça para os romanos. Marco Antonio, que não resolveu abrir mão de sua aventura amorosa, decidiu combater as tropas do general Otávio. Sem obter o sucesso almejado, ainda tentou se aliar com as tropas de Cleópatra para resistir à sua iminente derrota.

Sitiados e abatidos na cidade de Alexandria, o general e a rainha decidiram acabar com suas próprias vidas. Não satisfeito, Otavio aniquilou completamente a linha sucessória dos herdeiros de Cleópatra bem como transformou o Egito em uma mera província subordinada aos representantes do poder romano. Com isso, o sinal de lealdade representado pela vitória militar transformou Otávio no primeiro imperador romano.
Por Rainer Sousa
Graduado em História
Equipe Brasil Escola

Elizabeth-Arainha virgem”.

O rei inglês Henrique VIII, era casado com a espanhola Catarina de Aragão. O soberano era louco para ter um filho homem, no entanto sua esposa lhe deu uma filha, Mary. Mas, o rei queria muito um menino, para que fosse seu sucessor, então resolveu casar-se novamente. A Igreja Católica não permitiu que o rei se casasse novamente, a não ser que ele obtivesse o aval do papa, mas esse lhe foi negado. Com a convicção de que só uma nova esposa lhe daria o tão sonhado filho, Henrique VIII fundou a Igreja Anglicana. Foi aí que pôde se casar com Anna Bolena, porém, essa também lhe deu uma filha, Elizabeth. Rejeitando a esposa por ter lhe dado uma menina, Henrique VIII forjou uma acusação de adultério, que resultou na decapitação de Anna em 1536. O rei casou-se novamente, com Jane Seymour, que morreu logo após dar a luz ao filho tão desejado, Edward.

Mesmo depois de realizado seu desejo, o soberano casou-se e descasou-se diversas vezes. Quando Elizabeth completou 13 anos de idade, Henrique VIII morreu. Como era esperado, Edward I assumiu o trono, tinha apenas 9 anos de idade.
O novo rei era de saúde frágil, permaneceu no trono por pouco tempo, quando, em 1553, morreu de tuberculose. A sucessora por direito foi Mary, ela era católica, o que revoltava os anglicanos, por isso eles apoiavam Jane Grey, uma parente distante do rei morto, para assumir o poder. Mary conseguiu deter os revoltosos e garantir o poder. Era uma mulher muito nervosa e paranóica, após assumir o trono tratou de restaurar sua religião no país, mandou 300 pessoas para a fogueira. Além disso, casou-se, em 1554, com o então rei da Espanha, Felipe II, essa atitude a tornou mais odiada entre os ingleses que não viam com bons olhos a união da frágil Inglaterra com a Espanha, a nação mais poderosa daqueles tempos.
Mary suspeitava de que sua meia-irmã Elizabeth estivesse por trás dos levantes protestantes, por isso, resolveu trancafiá-la na Torre de Londres, onde ficou por quatro anos. Com a morte de Mary, em 1558, Elizabeth teve a oportunidade de assumir o poder. Quando tomou posse do poder ela percebeu que os ingleses estavam divididos entre católicos e protestantes e, o tesouro real estava acabado. O viúvo de Mary I estava de olho no poder e, para completar, a França sustentava uma forte e poderosa aliança com a católica Escócia, ameaçando uma invasão pelo norte. Elizabeth organizou um time de conselheiros cuja qualidade principal era a competência. Ao invés de desafiar o parlamento ela promovia diversas alianças com o mesmo.

A soberana reforçou a autoridade dos nobres, mas por outro lado cobrou deles responsabilidades com a chamada Lei dos Pobres, na qual o senhor feudal era obrigado a cuidar dos necessitados de seu feudo. Propôs trégua à França, cedendo a posse do porto de Calais. Ao Contrário do que fez com a França, Elizabeth financiou secretamente grupos protestantes para desestabilizar o governo da sua prima, a rainha escocesa Mary. Para conter a ambição do viúvo de sua meia-irmã, Mary I, a rainha passou a flertar com ele, enrolou-o por anos para depois dispensá-lo.
Com essas ações, ela conseguiu manter a Inglaterra livre de invasões. A questão religiosa se manteve como um dos grandes problemas do início do reinado da “rainha virgem”, como ficou conhecida.
Elizabeth resolveu instalar novamente a Igreja Anglicana, criada por Henrique VIII. Ela não queria uma guerra civil, por isso deu voz aos católicos no Parlamento. Mas as revoltas religiosas continuaram, tanto que, em 1569, um grupo de nobres católicos rebelou-se no norte da Inglaterra. Para sufocar essa revolução, Elizabeth mandou massacrar os revoltosos e, confiscar os bens de seus herdeiros que ficaram privados da herança. Em contrapartida, o papa excomungou Elizabeth, em 1570. Em 1585, o rei espanhol Felipe II declarou guerra à Inglaterra, reunido a maior frota já vista. Em compensação, a inglesa tinha apenas 197 embarcações. Para a sorte de Elizabeth os espanhóis foram vítimas de uma tempestade no Canal da Mancha, apelidada de “castigo protestante”, e ficaram desgovernados. Os ingleses aproveitaram a chance e massacraram 5 mil soldados inimigos. Alguns espanhóis conseguiram escapar, entre eles o duque de Medina-Sidônia. Essa vitória deixou a Inglaterra entre as maiores potências daquela época. Com a proximidade da velhice e da morte, Elizabeth I estava preocupada em quem seria seu sucessor, o herdeiro do trono. Segundo alguns estudiosos, ela teria indicado seu sobrinho, James I da Escócia, filho de sua prima-rival, Mary. Para outros, isso não aconteceu de fato. O que se sabe é que a “rainha virgem” faleceu em 1603, e foi a última da dinastia Tudor.
Por Eliene Percília
Equipe Brasil Escola

Hatshepsut - A primeira faraó da história.

Hatshepsut foi a primeira faraó (mulher) da história, conseguiu esse título após vencer muitos obstáculos. Após a morte de seu pai, o faraó Tutmés I, Hatshepsut casou-se com seu meio-irmão, Tutmés II, com apenas 17 anos de idade. Depois de quatro anos seu marido e irmão faleceu, deixando como herdeiro do trono um filho que teve com uma concubina. Mas como o menino era muito jovem, Hatshepsut assumiu o poder. Governou o Egito sozinha por 22 anos, na época o Estado era um dos mais ricos. Para permanecer no poder fez o uso da descendência de Tutmés I, a princípio não enfrentou objeções, já que Tutmés III (filho de Tutmés II) era muito jovem e não podia reinar.
No começo de seu reinado não exigiu as regalias reservadas aos faraós, que eram governantes e sacerdotes da religião local (considerados seres divinos). Aos poucos foi testando seu poder, para ver até onde iam os limites impostos pela sociedade egípcia às mulheres, pois almejava o posto de faraó. Com o passar do tempo seu poder foi aumentando, até se mostrar como faraó, fazendo o uso de barba postiça e calças. O uso de barba falsa era um costume exclusivo dos faraós, a barba para eles tinha o mesmo significado da coroa para os reis. Hatshepsut promoveu a inovação administrativa e a expansão comercial. Enviou várias expedições para a costa africana, no Mar Vermelho, em busca de ouro, marfim, pele de animais, entre outros.
Com a prosperidade de seu governo, Hatshepsut começou uma obra de embelezamento arquitetônico no Egito. Ergueu diversas edificações em homenagem ao deus Amon-Rá (seu pai espiritual), na região de Beni Hasan (centro do reino) ela construiu um novo templo feito de pedras, denominado Speos Artemidos pelos gregos. Ao mesmo tempo em que fazia as mudanças físicas do Egito, a faraó cuidava da educação de Tutmés III. Ela enviou o menino para o templo de Amon, onde foi educado para se tornar o próximo governante.
Para garantir sua autoridade fazia de tudo para manter o jovem afastado do trono, chegou até a casá-lo com a filha que teve no relacionamento com Tutmés II. Porém, ficou bastante enfraquecida com a morte da princesa. No comando do exército Tutmés reclamou seus direitos, em especial o título de faraó. Mas só conseguiu tal feito após a morte da rainha, em 1482 a. C. A causa da morte não é conhecida, assim como a localização de seus restos mortais.
Por Eliene Percília
Equipe Brasil Escola

Isabel de Castela -  A soberana rainha de Castela.

Isabel nasceu em 1451, no povoado de Madrigal de lãs Altas Torres, no centro da Espanha. Era filha do rei Juan II de Castela, que já tinha dois filhos de seu primeiro casamento, Enrique e Afonso. Naquela época, Castela era o mais próspero reino cristão da península Ibérica. Quando Isabel nasceu, seu pai lutava contra o decadente poderio árabe, instalado na região há cerca de 700 anos. Contava com o apoio de dois outros reinos cristãos: Navarra e Aragão. O soberano morreu em Valladolid, em 1454, deixando Isabel órfã com 3 anos de idade. Ela era última da linha sucessória, por isso deixou a corte para morar na aldeia de Arévalo. Há poucos relatos sobre sua vida nesse período, o que se sabe é que foram anos muito conturbados, foi nesse período que sua mãe enlouqueceu. Ela só retornou ao palácio 10 anos depois, sob a tutela do meio-irmão, o rei Enrique IV. No ano seguinte o rei foi deposto, através do ato chamado “A Farsa de Ávila”, um grupo de nobres elegeu Afonso como rei, já que esse também era herdeiro de Juan II de Castela. Ele tinha apenas 11 anos de idade, assim era fácil manipulá-lo, ao contrário do independente Enrique IV. Mas após 3 anos de sua coroação Afonso faleceu. Os conspiradores necessitavam coroar outra pessoa que também fosse fácil de manipular, foi assim que proclamaram Isabel “princesa das Astúrias”.
Com 17 anos ela já conhecia os motivos da guerra à sua volta. Foi por isso que teve a idéia de dar um “xeque-mate” nos golpistas. Sendo assim, anunciou que iria se casar, tendo três pretendentes, os dois primeiros foram o rei Afonso V de Portugal e Pedro Girón, mestre da Ordem de Calatrava (inquisição de cavaleiros cristãos). Mas Isabel optou pelo terceiro pretendente, Fernando, o segundo na fila de sucessão ao trono de Aragão. Enrique IV desprezou o casamento e continuou a lutar para retomar o poder. Porém, o casal se mostrou mais esperto, começou a fazer alianças com as famílias influentes da Península Ibérica. Enrique IV morreu em 1474, quando a Espanha encontrava-se praticamente unificada sob a bandeira do casal de monarcas: rainha de Castela e o rei de Aragão. No casamento, Isabel optou pela separação de bens, na chamada Concórdia de Segóvia, de 1475. Fernando tinha amplos poderes, no entanto, Isabel permanecia como rainha-proprietária de Castela. Pensando na possibilidade de um novo conflito na hora da sucessão, eles decidiram unificar suas coroas a partir da geração seguinte.
Estando Castela pacificada e o poder Assegurado em Aragão, o casal de monarca deu início a um período terrível na história da Espanha. Tinha o intuito de varrer do território espanhol a população moura que havia permanecido na região após a derrota mulçumana, e também de judeus que ali viviam especialmente por não serem perseguidos pelos islâmicos. Fazendo diversas ameaças de invadir os domínios do papa Sixto IV caso ele não assinasse a bula papal convocando a inquisição. No entanto, o líder da Igreja limitou a ação dos inquisidores nas terras espanholas. Muitos exilados fugiram para o último reduto muçulmano na península, o reino de Granada, no Sul. Mas a fúria de Isabel e Fernando foi tamanha que promoveram o maior genocídio da história do país. Pelo massacre os dois ganharam um título de serviços prestados à Igreja Católica, além disso, em 1492, pelos “feitos”, a Espanha alcançou o posto de potência internacional. Tomaram posse das Ilhas Canárias, situadas na costa africana. No mesmo ano Cristovão Colombo, a serviço da coroa, descobriu a América. E em Roma, Rodrigo Bórgia, amigo de Fernando, assumiu o papado com o nome de Alexandre VI. Os direitos da Espanha sobre as novas terras conquistadas foram reconhecidos.
Em 1497, o príncipe herdeiro Juan, filho preferido da rainha, morreu vítima de uma doença desconhecida. Três anos depois o caçula também faleceu. Com a morte de seus dois filhos, a rainha Isabel entrou em depressão, no dia 26 de Janeiro de 1504, ao meio-dia em ponto, Isabel de Castela morreu. Fernando de Aragão continuou no trono até 14 de março de 1516, quando também faleceu. Estava assim terminado o reinado do casal de monarcas que conquistou grandes batalhas e nações para a Espanha.
Por Eliene Percília
Equipe Brasil Escola

Joana D'Arc - 

A guerreira que era orientada por vozes de santos.


Joana d’Arc foi uma das mulheres mais fortes e guerreiras que o mundo já conheceu. Nasceu em 1412, no vilarejo de Domrémy, França. Pertencia a uma família de camponeses, foi educada para ser uma boa esposa, para isso aprendia as prendas domésticas. Fora isso, não recebera outro tipo de educação, era praticamente analfabeta. Ao completar 13 anos a jovem passou a ouvir vozes sagradas: São Miguel, Santa Catarina e Santa Margarida. A primeira orientação feita pelas vozes à Joana foi de que a menina deveria permanecer virgem para obter a salvação de sua alma. Mais tarde as vozes passaram a orientá-la sobre política, dizendo que deveria coroar o príncipe herdeiro do trono, Carlos, mais conhecido como delfim, e salvar a França dos ingleses. Joana foi concebida no ápice da Guerra dos Cem Anos, conflito que se iniciou em 1337 e teve fim em 1453. A situação francesa era crítica tanto na política como na economia. A Igreja estava enfraquecida devido às limitações do papado, para sobreviver em meio aos poderosos a Igreja saiu em busca de alianças.
Com a França em decadência, a Igreja optou por aliar-se à Inglaterra, que até então era a mais forte. Para Joana e sua família, tais alianças significava o início de tragédias, já que o feudo era vizinho de Lorena, onde se localizava o vilarejo de Domrémy. Com isso, as terras da família d’Arc passaram a sofrer constantes ataques. Na época em que os borguinhões se apossaram de vez de Domrémy, em 1428, Joana tinha 16 anos de idade. Com os conselhos das vozes santas na cabeça, decidiu que iria coroar o rei. Tinha consciência de que a paz só seria possível com uma França forte, e que o país só atingiria tal objetivo quando o delfim recebesse a coroa na catedral de Notre-Dame de Reims, conforme a tradição. Decida, Joana convenceu o padrinho, um soldado que já havia se aposentado, a acompanhá-la até a cidade de Vaucouleurs. Ela tinha o objetivo de persuadir o nobre Roberto de Baudricourt, chefe militar e senhor local, a lhe conceder um exército. No primeiro encontro se impressionou com a força e a coragem da jovem, mas não cedeu um exército de imediato. Na espera de uma resposta favorável, Joana ficou vagando por Vaucouleurs. Nesse tempo acabou levando muito soldado na conversa.
Ao tomar conhecimento de que cada vez mais soldados juravam lealdade à Joana, Baudricourt não teve alternativa. D’Arc partiu para o castelo de Chinon, quartel-general do delfim Carlos, juntamente com o duque de Anjou, com os cavaleiros que havia amealhado e com os soldados que Baudricourt finalmente lhe concedera. Ao chegar a Chinon, Carlos já havia sido informado sobre a jovem camponesa, provavelmente louca, que dizia ouvir vozes sagradas. Ficando meio receoso, permaneceu dois dias recluso, discutindo com a corte se deveria ou não recebê-la. Por fim d’Arc convenceu Carlos de que estava ali com um propósito e que era digna de ser recebida por ele. Com tudo, delfim equipou e abençoou Joana em sua Marcha até Orléans. Apesar de estarem em menor número, os franceses contavam com a força, coragem e garra de Joana. A batalha durou alguns dias e os ingleses recuaram.
Em maio de 1429, a França obteve sua primeira grande vitória militar. Joana d’Arc estava pronta para sua missão, a de coroar o delfim, sendo assim, em julho de 1429, Carlos recebeu a coroa do rei na Catedral de Notre-Dame de Reims. Com isso, Joana havia atingido seu objetivo maior, só que sua ambição militar falou mais alto. Partiu para Paris a fim de expulsar os ingleses, em setembro de 1429 invadiu Paris, onde foi derrotada, seus soldados partiram em retirada, mas seu espírito guerreiro resistiu. Joana foi capturada, levada para a fortaleza de Beaulieu e, logo em seguida, para o castelo de Beaurevoir. Tentou escapar de ambas as prisões, mas não obteve êxito, Joana foi vendida pelos borguinhões por 10 mil libras aos ingleses. Em 1430, foi levada a julgamento no tribunal inglês, sendo conduzido pelo bispo de Beauvais, Pierre Cauchon. Todas as acusações eram de ordem religiosa: bruxa, herege, idólatra, entre outras. Martírio que durou seis meses, sua sentença foi ser queimada viva.
Cumpriu-se então a sentença, Joana foi queimada viva em uma fogueira aos 19 anos de idade. Foi o fim da heroína francesa.
Por Eliene Percília
Equipe Brasil Escola

Margareth Thatcher -  a Dama de Ferro


Em pleno clima da Guerra Fria e recém-saídos da crise petrolífera, os países europeus buscavam alternativas para reorganizar-se estruturalmente. A Grã-Bretanha encontrava-se arrasada, as taxas de inflação e desemprego eram as mais elevadas da Europa, além disso, existiam greves nos serviços públicos que afetavam o dia-a-dia da sociedade britânica. Em meio à desordem que a ilha vivia, a solução encontrada foi trazer para o poder Margaret Thatcher. Líder do Partido Conservador, ela surgiu em meio à confusão para colocar ordem no recinto, tendo anunciado em seu plano de governo a redução de impostos, controle e reforma dos sindicatos, apoio à iniciativa privada, rompimento com o estado de bem-estar social e combate ao comunismo. Foi casada por mais de 30 anos com empresário Denis Thatcher, união que resultou nos filhos gêmeos Carol e Mark.
Thatcher foi a primeira mulher a ocupar o cargo de primeiro-ministro da Grã-Bretanha. Após assumir o poder, optou por fazer uma política de convicção e não de consenso. A sua opinião era a única que importava, não importando a opinião de seu partido. O pacote de medidas adotado por Thatcher seria precursor do que na década de 1990, ficou conhecido como neoliberalismo. Tempos depois de assumir o poder, e após dar importância unicamente às suas opiniões, segundo Evaldo Alves (professor de Economia da Fundação Getúlio Vargas) ela teria sido acusada pelo povo de não dar importância ao sofrimento e às dificuldades dos desempregados. No início nada que foi posto em prática por Margareth Thatcher deu certo, pelo contrário o país mergulhou na pior recessão desde 1930. A crise que o país enfrentou foi tão difícil que em fevereiro de 1981, muitos britânicos não queriam conceder à primeira-ministra sequer os primeiros cinco anos de mandato. Após intervir no conflito das Malvinas (1982), em 1984 ela foi reeleita. Permaneceu no poder de 1979 a 1990, totalizando 11 anos.
Os mandatos de Thatcher foram problemáticos com séries de manifestações contra sua forma de governar. Após se negar a renegociar os direitos dos presos políticos das greves de 1980 e 1981, em 1984 o IRA (Exército Republicano Irlandês) tentou assassiná-la. Com sua reeleição de 1989, o governo já se encontrava em decadência, todas as políticas por ela defendidas estavam ruindo-se. O fim da carreira política da Dama de Ferro veio com o golpe fatal norte-americano, com a vitória de George Bush para presidência, perdendo o apoio externo, já que o novo presidente dos EUA não simpatizava com a então Primeira-Ministra. Sem o apoio do partido e com a imagem desgastada pelos 11 anos de mandato, renunciou em 28 de novembro de 1990.
Por Eliene Percília

Maria Stuart -

Maria Stuart foi uma das mais famosas rainhas do século XVI, e que teve contra si o ódio e a maldade de soberanos Ímpios. Foi Linlithgow, cidade da Escócia, que serviu de berço a encantadora criancinha de nome Maria.
Os soberanos Jayme V. da Escócia e Maria de Loraine de Guise foram os pais de Maria Stuart.
Com a morte do rei escocês e com a decisão do parlamento anulando uma futura aliança entre Maria Stuart e o príncipe Eduardo de Gales, veio uma guerra entre a Inglaterra e a Escócia.
Mandada a bordo de um vaso de guerra da esquadra de Villegaignon, a nobre e jovem escocesa chegou às terras da Gállia a 13 de agosto de 1548, onde desembarcou no porto de Roscoff. Educada na corte francesa de Henrique III, e desejada para futura esposa do príncipe Francisco, teve uma bela instrução, tendo como mestre Buchnan, Ronsard, Loraine e outros.
Os nobres franceses tinham por ela verdadeira afeição, pois o seu cabelo louro e ondulado, os olhos de um cinzento claro, a sua esbelta estatura e seu andar elegante extasiava qualquer cavalheiro.
No dia 24 de abril de 1558, realizou-se na catedral de "Notre Dame" o casamento do príncipe Francisco com Maria Stuart, fazendo com que assim a aliança entre a França e a Escócia fosse sempre assegurada.
Morrendo Henrique III, subiu ao trono da França o herdeiro Francisco, esposo de Maria Stuart. Em conseqüência de enfermidades, Francisco II morreu deixando sua jovem esposa viúva, que imediatamente resolveu rever sua pátria natal.
Maria Stuart deixou o solo francês, em 14 de agosto de 1561. E quando já ao longe, Maria Stuart viu desaparecendo os contornos do litoral francês, disse com lágrimas nos olhos a seguinte frase de gratidão: "Adeus França, adeus, França, penso que nunca mais vos hei de ver".
Chegando à Escócia, desejosa por acalmar as revoluções religiosas, Maria Stuart nomeou para primeiro ministro, seu irmão natural Jayme Stuart com o titulo de conde de Murray, e logo depois se casou com Danrley, filho do Duque de Lennox.
Depois de trair sua própria esposa e rainha, Danrley morreu vítima de uma explosão. Maria Stuart então desposou Bothwell, um mercenário que chefiava a guarda imperial.
Batendo-se de frente com o revolucionário Murray, Bothwell perdeu a batalha. Temendo cair prisioneira dos revoltosos, Maria Stuart pediu abrigo à sua prima Isabel rainha da Inglaterra.
Depois de encarcerada injustamente no castelo de Chartley, Maria Stuart teve de comparecer a um julgamento em Fotheringhay arranjado por Walsinghan secretario de Isabel.
Apesar dos veementes apelos e protestos da França e Espanha, a sentença para a morte de Maria Stuart foi assinada.
E, na manhã de 8 de fevereiro de 1587, Maria Stuart, apoiada ao braço de seu médico francês, Bourgoing, subiu ao patíbulo, onde o gume do machado manejado pela mão férrea de um carrasco desceu sobre o seu pescoço, pondo fim à sua existência.
As Grandes Mulheres - História - Brasil Escola

Rainha de Sabá  -  ao lado de seu amado Salomão


Pouco se sabe sobre a belíssima rainha de Sabá, cuja história é repleta de mistério. A parte conhecida de sua história está relatada no Velho Testamento, datadas no século 6 d.C., e em um dos livros de Talmudu (coletânea das tradições orais judaicas).
No Alcorão (livro sagrado muçulmano) encontramos referência à suposta cidade natal da rainha, Marid. Dentre todos os relatos a respeito da rainha de Sabá, o mais conhecido é o da Etiópia, o Kebra Nagast, do século 11 a.C. Segundo esse documento, ela teria assumido o trono com apenas 15 anos de idade, após a morte do pai.
Em Sabá as mulheres e os homens possuíam praticamente os mesmos direitos, por isso sua coroação foi muito festejada pelos súditos. A única coisa que fazia a diferença entre homens e mulheres em seus direitos era a determinação religiosa de a rainha manter-se virgem. Como uma boa seguidora dos costumes de seu povo, Bilqis como era chamada no Alcorão, aceitou conformada. Já que não poderia jamais deliciar-se dos prazeres carnais, dedicou-se ao estudo da filosofia e do misticismo. Seu reinado esbanjou luxo e riqueza, isso graças à farta colheita, que era estimulada por avançadas técnicas de irrigação, e à localização privilegiada que impulsionava o comércio. Sabá era ponto de encontro de mercadores vindos de todos os lugares. Vendia-se e comprava-se de tudo pelas pequenas ruas do reino, em especial mercadorias oriundas do Oriente. Para se distrair a rainha circulava em meio ao tumulto do comércio. Gostava de conversar com os viajantes, foi em uma dessas conversas, que sobe da existência do rei Salomão. Foi o chefe das caravanas reais, Tamrim, que lhe relatou a história de tal rei.
Ele vendia incensos de Sabá para diversos lugares do mundo e trazia muitos tecidos e jóias para a rainha. Ao retornar de uma viagem à cidade de Jerusalém, ele contou que havia feito negócios com um rei cujo nome era Salomão, muito rico e que tinha fama de sábio e generoso. A soberana ficou muito intrigada com os dotes intelectuais do rei de Jerusalém, então resolveu viajar para conhecer o soberano pessoalmente. Anunciou que iria junto com Tamrim em sua próxima viagem à Jerusalém, para isso saiu pelo reino em busca de presentes para Salomão.
A comitiva tinha 800 animais, apesar da curta distância a viagem durou seis meses. Chegando à Jerusalém, a rainha se dirigiu ao palácio, trajando roupas caras, coberta de jóias e seguida por servos trazendo os presentes para o anfitrião. Divertiu-se testando a sagacidade de Salomão, muito culta e bem-humorada ela disparou um arsenal de charadas com a intenção de desafiá-lo. O rei, muito sábio, não deixou nenhuma pergunta sem resposta.
Por sua vez, Salomão pregou a ideologia e os valores de sua religião, o Judaísmo, e conquistou mais uma adepta. Como um grande sedutor, ele também cortejou a visitante. Mesmo tendo feito o voto de castidade, a rainha de Sabá em sua primeira noite no palácio não resistiu ao charme de Salomão e se entregou a ele. Permaneceu meses na companhia de Salomão e retornou para casa grávida do amado, o filho foi chamado de Menilek.
Após o retorno da rainha, os relatos foram se tornando escassos. Nenhuma das histórias sobre a rainha de Sabá é arqueologicamente comprovada. Dessa forma, a célebre e lendária rainha tornou-se um grande enigma da história, não há comprovação de sua verdadeira história e nem relatos de seu fim.
Por Eliene Percília
Equipe Brasil Escola

Rainha Vitória  - A mãe do capitalismo sem fronteiras.


Aos 18 anos de idade, a jovem Alexandrina Vitória Regina assumiu o trono britânico. Algo que só pôde ter sido possível com a morte prematura de suas duas primas e posteriormente com o falecimento de seu tio Guilherme IV, até então rei da Inglaterra. Era filha do duque de Kent e da ex-princesa de Leininge, seu pai morreu logo após seu nascimento. Seu reinado durou 64 anos, tendo nesse tempo elevado a Inglaterra ao posto de maior império do mundo. O seu governo era sinônimo de pontualidade e sofisticação, isso se deve ao fato da soberana ter influenciado o estilo de vida e comportamento dos ingleses.
Vitória após ser coroada passou a ser o centro das atenções, embora não fosse dotada de beleza física, ela estava sempre bem-humorada e preocupada com a exatidão e a regularidade das horas de trabalho. Logo manifestou interesse em seu primo Albert de Saxe-Coburg. A união com Albert fez com que a rainha se preocupasse com as questões que antes não a importava como, a política. A rainha percebeu que o país não poderia se manter isolado em suas fronteiras, que deveria ampliar seus horizontes. Diversos países europeus passaram a sofrer com a febre expansionista, porém, nenhum deles aumentou seus domínios territoriais como a Inglaterra da rainha Vitória.
Com o intuito de ampliar o mercado consumidor, a rainha fortaleceu as campanhas contra a escravidão mundial e incentivou a abertura dos portos internacionais. Com a morte de seu marido em 1861, o reinado de Vitória perdeu o seu antigo encanto. Abalada com a morte de Albert, ela passou a se trancar em casa e a recusar-se solenemente a cumprir seus deveres públicos. Nunca mais pronunciou nada sobre política e, nem admitiu que ninguém esquecesse por um só segundo a sua dor, nem que tivesse infelicidade maior que a sua. A tristeza só foi embora em 1897, quando completou 60 anos de reinado, estivesse de luto eterno. A rainha Vitória morreu em 1901.
Por Eliene Percília
Equipe Brasil Escola


Grandes mulheres da Bíblia em:


19 comentários:

Edna Lima disse...

A história está cheia de mulheres guerreiras que viveram à frente de seu tempo.
Seu post está lindo prestando esta homenagem.
Um Dia cor de rosa para você.
Bjs Edna.

Malu disse...

Valquiria,

Maravilhoso seu post !
Adorei muito , uma verdadeira aula...
:)


BjO Grande e um Dia de Alegrias.

Cristina disse...

Bom Dia Valquiria!!!

Mulheres maravilhosas e inspiradas!!!
Já fomos bastante discriminadas,excluídas,
maltratadas...que bom ter exemplos de força,sabedoria,dedicação...devemosnos fazer merecedoras dessas conquistas.A mulher deve se valorizar para ser valorizada,alias como tudo né Amiga,respeitar para ser respeitada...enfim temos o perfume de Deus!!!

Um Dia lindo para você!!!

Muitos beijos

M. disse...

Não te vou contrariar...Só um pouco...

Algumas destas mulheres foram déspotas e governaram como...os homens governam..

Não é propriamente o caminho a seguir...

Preferia ver aqui escritoras, pensadoras e, sobretudo a mulher comum...Aquela que é grande todos os dias e de forma anónima:).

Anne Lieri disse...

Valquiria,um texto completo com grandes mulheres que fizeram história e deixaram sua marca!Obrigada pela homenagem!Bjs,

Lourdes disse...

Olá
Venho agradecer a visita ao "Açor" e retribuir a sua simpatia. O Carnaval por aqui está chuvoso. Não desejo um bom dia da mulher. Desejo que todos os dias sejam dias da mulher e do homem; que se amem, se respeitem e colaborem mutuamente.
Beijinhos
Lourdes

Lilá(s) disse...

Pasmei com a riqueza deste post!
Bj

Vivian disse...

Olá!!

Obrigada pela visita!
Seja Bem-Vinda!!
Adorei seu post!!Quantas mulheres interessantes,num post só!!
Beijos!

Long Haired Lady disse...

algumas eu ja conhecia , outras conheci agora, muito bom!!!

Olhos de mel disse...

Querida amiga; um maravilhoso post! Uma homenagem linda! Mulheres que fizeram história e lançaram seus nomes a imortalidade...
Boa semana! FELIZ DIA DAS MULHERES! Beijos

Ingrid disse...

bela homenagem as mulheres..
mas foi e tem sido um caminhos árduo..
beijos..

Ana Martins disse...

Fantástico o seu post Valquíria, parabéns!

Feliz dia de Carnaval!

Beijinho,
Ana Martins

Vivian disse...

Mulher que sonha.
Mulher que trabalha.
Mulher que luta.

Mulher mãe.
Mulher filha.
Mulher que manda
e que ama.

Mulher de erros e acertos.
Mulher de atitudes.

Mulher de palavras doces
Mulher decidida.

São tantas qualidades para
tentar definir esta criatura
abençoada por Deus, e que,
por vezes nos perdemos
em palavras.

Você, mulher, faz parte
disso, representando com
doçura e determinação um
universo totalmente
desconhecido, que a
cada dia revela-se
ainda mais misterioso
e, portanto,
apaixonante.

Parabéns MULHER,
pelo nosso dia!

Beijos, linda mulher!

adir disse...

Amiga Walquiria,
Que grandes ensinamentos você passou com o seu post aqueles que já estão esquecidos.
Seu blog além de espalhar cultura é muito lindo.
E eu em busca de comentários, recebi o seu e me deliciei com o que vi.
Muitos beijos de parabéns.
Adir (quero que você leia)

Maria disse...

Querida amiga, excelente post como sempre.
Hoje é o dia de TODAS as mulheres, de TODAS as raças e religiões, mulheres que se esquecem tantas vezes de si em prol da família, mulheres que lutam por uma vida melhor, mulheres companheiras, amigas, colegas, mães, mulheres que sorriem quando a alma chora, mulheres que não desistem de alcançar os seus sonhos e que no fundo do seu coração apenas desejam encontrar o seu caminho na estrada da VIDA.
Para uma grande mulher, com um coração maravilhoso eu desejo um DIA muito feliz.
beijinhos
Maria

Sandra Botelho disse...

"Pode-se graduar a civilização de um povo pela atenção, decência e consideração com que as mulheres são educadas, tratadas e protegidas."
(Marquês de Maricá) Em homenagem ao dia internacional da mulher.
Beijos achocolatados

valdivino disse...

Minha amiga um feliz dia da mulher pra você.

PARABÉNS!

BJOS.

Nádia Dantas disse...

Agradeço a homenagem.
Maravilhoso o seu post.
Maravilhosas todas as mulheres do planeta.
Parabéns!
Carinhoso abraço :)

Dayse Sene disse...

Mulher!
Sempre mulher.
Um abraço carinhoso pelo nosso dia.
Um afago gostoso.
Um orgulho, ser mulher sempre.
Eternamente.
Minha homenagem às minhas amigas mulheres.